Logo


Você está em: Inicial > noticias > noticias-relacionadas > exibir.php

 
Maximizar


Famílias sem terra acampadas sofrem despejo violento no interior do Ceará



11/07/2011

Famílias sem terra  acampadas sofrem despejo violento no interior do Ceará
 
Por Marcelo Matos
franciscomarcelomatos@yahoo.com.br
Contatos 85260654, 99068447   - twitter @marcelomatos2
11/07/2011

 
Era aproximadamente 11:30 da manhã do dia de hoje, 11, quando chegou a Mauriti, na região do cariri, divisa com o Estado da Paraíba, cerca de cinqüenta  (50)  policiais militares de Juazeiro, ao chegarem apresentam as 80 famílias acampadas na fazenda Lagoa Cercada, á ordem de despejo. A ordem era explicita retirar às famílias a força. O caminhão para a retirada das famílias foi emprestado coincidentemente pela Prefeitura Municipal de Mauriti, a frente o Prefeito Isaac Gomes da Silva Junior do Partido dos Trabalhadores, PT.
 
 Sem tempo para pegar seus pertences, os trabalhadores e trabalhadoras logo entram em desespero, quando alguém grita. “estão tocando fogo nos barracos”, começa o corre-corre. Os policiais começam a derrubar os barracos e por fogo com todos os pertences das famílias dentro. Segundo informações dos acampados quatro pessoas estão feridas, entre homens mulheres e crianças. Ainda três acampados presos, sob acusação de desacato, por tentarem impedir com que a polícia queimasse o que lhes restou, da longa luta por um pedaço de terra.
 
Por telefone, um acampado que não quer revelar o nome com medo de represálias, fala que os policiais ameaçaram com armas na cabeça dos que tentavam salvar suas barracas, até o momento os três trabalhadores que foram presos, continuam “sem ter o direito de receber visita dos familiares” afirma a coordenação local do MST.
 
  De acordo Com informações da coordenação do MST no Ceará, “Essa é a segunda reintegração de posse em acampamentos nosso”  para Antonia Ivoneide, da coordenação estadual do MST, “ Há um compromisso do governo do estado em negociar, essa ação que ocorreu é um ato inconstitucional, onde está o respeito a vida das pessoas”.
 
Para o ouvidor agrário do Estado Vasconcelos Araújo, “esse tipo de ação não era esperada, nem o secretário de desenvolvimento agrário esperava isso”. Confirmando o compromisso do governo do estado de que ações desse tipo não são recomendadas. “já estamos tomando a providência”, completa Vasconcelos.
 
Hoje no Ceará vivem em acampamentos cerca de três mil famílias ( 3 mil) em 26 acampamentos  espalhados em todas as regiões do estado. Para o movimento á uma represália do setor conservador do poder judiciário “que persegue e criminaliza a luta no campo, impedido o acesso a terra como manda a constituição” afirma Ivoneide.
 
A tensão continua, o movimento espera uma imediata intervenção do estado, para desapropriar a área e libertar os acampados presos.
 
 Enquanto isso: Em Fortaleza cerca de 150 famílias ocupou nesta manhã o prédio do Instituto nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), na Avenida José Bastos, para pressionar a assinatura do convênio de assistência técnica para os assentamentos de reforma agrária. O Incra já havia se comprometido, que no dia 08 de julho o convênio estaria assinado, mas conforme informações do MST até agora nada foi feito.
 
 Por
Marcelo Matos
franciscomarcelomatos@yahoo.com.br
Contatos 85260654, 99068447   - twitter @marcelomatos2



Rede Social
Youtube
Facebook
Twitter
 
Movimento Humanos Direitos ® Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Mapa do Site.
Desenvolvido por MelhorWeb Tecnologia