Logo


Você está em: Inicial > atividades > historico > exibir.php

 
Maximizar


Apoio aos √ćndios de Camboinha - Niteroi



01/06/2008

INFORME SOBRE OS ÍNDIOS GUARANI DE CAMBOINHAS - NITERÓI

“Hoje dia, 09 de Agosto, houve uma manifestação em Icaraí, para informar ao povo de Niterói sobre o incêndio criminoso e pedir a adesão da população ao Abaixo Assinado, que deu hoje o pontapé inicial e começa a caminhar por Niterói, pelo Rio de Janeiro e por todo o Brasil, já que essa é uma luta não só de Niterói e do Rio de Janeiro, mas de todo o Brasil.

Estiveram presentes políticos de vários partidos, entre eles o Vereador Renatinho, do PSOL, e o candidato a Prefeito, também do PSOL Paulo Eduardo Gomes.

A atriz Priscila Camargo também esteve levando solidariedade, em nome dos Artistas, dando apoio à demarcação daquelas terras que são deles por direito.

Em sua fala, Priscila Camargo, aproveitou para levar uma outra forma de ver a presença dos Índios em Camboinhas, que é contestada por muitos:

"Penso que é uma honra para Niterói e para o Rio de Janeiro, ter assim tão perto uma Aldeia de Índios Guarani, porque assim poderemos desfrutar de perto dessa Cultura que há Milênios preserva a Natureza, tem seus Mitos, suas Lendas e seus conhecimentos preservados oralmente! Eles são guardiões de uma Cultura Milenar, que é Brasileira e que nós pouco conhecemos!

Agora, com eles aqui tão perto, poderemos ser “tocados” pela Cultura Milenar dos Índios Guarani, Cultura essa que está viva, não é mera figura de retórica ou foto em Museu.

Camboinhas pode se transformar, com a presença deles lá, num Pólo da Cultura Indígena, a ser conhecido e reconhecido Nacional e Internacionalmente!

Mas eles precisam da nossa ajuda, porque estão querendo tirá-los de lá!

Parece que os mesmos motivos que quinhentos anos atrás, fez com que eles fossem quase dizimados, o mesmo poder econômico, ainda hoje, século XXI, quer acabar com os Índios, expulsando-os das suas terras, ateando fogo em suas casas!

Nós não podemos ficar calados e permitir isso debaixo dos nossos olhos!

Temos que sensibilizar a população do Rio de Janeiro, mostrando a eles que vai ser muito bom para todos nós essa troca, essa possibilidade de convivermos com um Povo, que apesar de ter sido tão barbaramente agredido, ainda preserva a sua Cultura, sua Língua e sua Religiosidade!

Será muito bom poder aprender com eles esse estado natural de Unidade com a Natureza, de Respeito e Igualdade!

Temos que ajudá-los nessa luta contra interesses desumanos e criminosos!

E nós artistas nos solidarizamos com os nossos Irmãos Índios!

Hoje o coral das crianças cantou, músicas muito antigas, melodiosas e emocionantes, numa língua também muito antiga que não conhecemos. Foi lindo!

Vamos ajudar a preservar essa Bela Cultura Brasileira!”

No dia seguinte do incêndio:





ARTISTAS ENTRAM NA LUTA PELA DEMARCAÇÃO DE ALDEIA EM NITERÓI.
    
Por Fátima Lacerda,
da Agência Petroleira de Notícias
(www.apn.org.br)
01/08/2008



Sete dias depois de viverem a desolação de encontrar sua aldeia queimada, os índios guaranis de Camboinhas, em Niterói, viveram momentos de muita emoção, durante a visita de artistas que decidiram abraçar a causa da demarcação das suas terras. Osmar Prado, Antonio Pitanga, Licurgo Spínola, Priscila Camargo prometeram não descansar até que a aldeia seja reconstruída e suas terras demarcadas.

O incêndio, provavelmente criminoso – a Polícia Federal investiga o caso – aconteceu no dia 18 de julho. Os principais alvos foram a escola, livros e objetos sagrados. O local onde os guaranis estão instalados, desde abril, é uma região de sambaquis (cemitério indígena), que está sendo alvo da especulação imobiliária, embora o terreno esteja em área do Parque Estadual da Serra da Tiririca.

Pesquisadora de histórias, lendas e contos tradicionais, a atriz Priscila Camargo já tem um vínculo com a aldeia e liderou a caravana dos artistas a Camboinhas. Tão cedo ela não conseguirá apagar da memória a imagem do dia do incêndio,  quando esteve na aldeia, a convite do cacique Darci de Oliveira:

"Quando cheguei, eram 16 horas. Ainda havia fogo. Chorei muito. Foi uma dizimação, como nos filmes americanos. Nunca pensei que fosse presenciar uma coisa dessas. Como cidadã, senti que precisava fazer alguma coisa. É uma honra termos os índios guaranis tão perto, pra gente aprender com eles. Eles formam uma sociedade onde existe respeito e liberdade. Deixar os índios nesta terra é uma garantia de que elas serão preservadas. Estão querendo acabar com os índios. É como se estivessem querendo acabar comigo também, botando fogo na minha própria casa. Não vamos permitir que isso continue. Demarcação já!" – clamou Priscila.

Osmar Prado estava tomado da mesma emoção. Ele é um dos muitos artistas que integram o Movimento Humanos Direitos (MHuD), voltado para a erradicação do trabalho escravo, da exploração sexual infantil, da demarcação das terras indígenas e quilombolas. A causa dos guaranis de Camboinhas agora está entre as suas prioridades:

"Onde houver esse tipo de violência e me pedirem para que compareça, lá estarei. Corre no meu sangue o sangue negro, índio e europeu. Estou defendendo os meus irmãos. Imaginem se fosse o contrário, se invadissem e queimassem as casas onde moramos, as nossa igrejas, os nossos cemitérios? Por que com os índios é diferente? Falta iniciativa dos órgãos encarregados de defender a comunidade indígena. Por isso estamos aqui. Concentrar-se no outro, preocupar-se com o outro, sofrer pelo outro e com o outro, essa é a lição básica da existência, o resto não vale nada" – declarou, visivelmente comovido.

O ator Antonio Pitanga acha que os inimigos dos índios "deram um tiro no pé, ao incendiar a aldeia". Ele está certo que essa violência vai acender a indignação e o espírito guerreiro daqueles que reconhecem a dívida histórica da nossa sociedade com negros e índios.

Durante a visita, Darci de Oliveira homenageou a comitiva – além dos artistas havia jornalistas, políticos, representantes de sindicatos e de movimentos sociais - com belas canções indígenas, que provocaram lágrimas. Homens, mulheres e crianças indígenas formaram uma roda, executaram instrumentos musicais típicos e cantaram em guarani. A platéia escutava em silêncio, tomada de uma sensação de paz e reverência. Depois, o cacique fez um apelo para que a Funai acelere o processo de demarcação das terras. O jurista João Luiz Pinaud disse que escreveu uma carta ao ministro Tarso Genro, em favor da demarcação, encaminhando, também, dados arqueológicos que atestam a presença de sambaquis na região.


UNIDOS PELA MESMA CAUSA EM CAMBOINHAS

O Fluminense
Elaine Trindade
26/07/2008

Índios da tribo Guarani-Mbya receberam ontem visita especial na paradisíaca praia niteroiense.
Pela manhã, um grupo de artistas - composto por Osmar Prado, Antonio Pitanga e Licurgo Spínola, entre outros - esteve no local para manifestar solidariedade ao cacique Darcy Tupã, que viu três ocas serem destruídas por incêndio no dia 18.
Na quinta-feira, a Justiça Federal determinou que a Funai identifique e cadastre os indígenas que vivem no local.


Aldeia Camboinhas
Por André Pinnola
25/07/2008

A aldeia dos índios Tupis-Guranis originários de Parati-Mirim foi incendiada criminosamente para tentar forçar a saída deles da pequena área que ocupam no final da praia da Camboinhas em Niterói-RJ.

Artistas se uniram para chamar a atenção para o problema, já que além do incêndio os índios já sofriam ameaças constantes por estarem ali. Alguns poucos homens e muitas mulheres e crianças moram lá, são um povo humilde, pacífico e acolhedor que não incomodam a ninguém e vivem de vender artesanato, além de se tornarem rapidamente uma grande atração turística do local. Porém interesses escusos querem tirar esse belo povo que muito tem a nos ensinar dessa área que é repleta de sambaquis de muitos povos indígenas que viveram em Niterói por séculos antes dos portugueses chegarem.

Priscila Camargo, Osmar Prado, Antônio Pitanga, Gilberto Miranda, Licurgo entre outros artistas estiveram presentes nesse dia para manifestar apoio aos verdadeiros donos dessa terra.


Fotos: André Pinnola

Dia 13 de Agosto de 2008 - Sábado, a partir das 18h.

Sobre a Reconstrução da Aldeia Guarani de Camboinhas

A Aldeia Guarani Tekoa Mboy Ty (Aldeia de Sementes ou Aldeia Semente), que foi barbaramente queimada no dia 18 de Junho, começa a se reconstruir, com a ajuda solidária de amigos, entidades e políticos do bem.
Eles ainda estão necessitando de doações, principalmente em dinheiro, para compra de Sapê, para cobrirem as Ocas e assim poderem voltar para as suas casas.
O Cacique Darci Tupã, convida todos os Artistas e Amigos, para a grande festa de reinauguração da Aldeia, que já está marcada para o dia 13 de Setembro, sábado a partir das 18h. Haverá uma cerimônia na Casa de Reza e uma celebração, com fogueira, comidas típicas indígenas, danças, apresentação do Coral das Crianças e de alguns artistas convidados. Me pediram para contar algumas Histórias Indígenas Guarani, o que farei com muita alegria e todos os Artistas Amigos, que quiserem participar, dando suas contribuições, serão muito bem vindos!
Nossa intenção, é divulgar essa Festa Guarani também para a imprensa e o comparecimento dos Artistas, como uma força solidária de apoio à permanência deles será muito importante.
Vamos todos, depois da tragédia, comemorar com eles a reconstrução, numa Celebração dentro dos Rituais Guaranis!
Vamos ajudá-los a permanecer num espaço que é deles!

Priscila Camargo

* Quem quiser colaborar com a Reconstrução, pode fazer a doação na Conta da Aldeia: Bradesco
Ag: 1645 C/C: 012153-3
Darci Nunes de Oliveira.



Rede Social
Youtube
Facebook
Twitter
 
Movimento Humanos Direitos ® Todos os direitos reservados. Pol√≠tica de Privacidade. Mapa do Site.
Desenvolvido por MelhorWeb Tecnologia