Logo


VocĂȘ estĂĄ em: Inicial > noticias > noticias-relacionadas > exibir.php

 
Maximizar


Uma Homenagem Tardia para o Companheiro CÍCERO GUEDES



28/01/2013

Escrevo como uma homenagem tardia, mas também como forma de apaziguar o meu espírito que se remoi por não estar nesse momento cercada pelos muitos companheiros e companheiras diante da tristeza e dor pelo assassinato do companheiro Cícero. Nunca vivenciei de forma tão opressiva o distanciamento entre corpo e coração: se meu corpo permanece no rj, meu coração encontra-se em campos, dolorido e solidário à familia de Cicero. Peço então aos que puderem que encaminhem para a família de Cícero esta homenagem como um pedido de desculpas meu...envergonhado pela minha ausência, na esperança de que o desejo de estar presente supere distâncias...

 

Não cheguei a tempo de me deslocar para Campos, assim escrevo marcada por profunda tristeza de não poder prestar essa homenagem ao Cícero e com o opressivo sentimento de impotência diante da certeza de que um gesto como esse, tão ignóbil, tão torpe como o assassinato de um homem, cuja vida se voltava para a construção de uma sociedade mais justa e fraterna, mesmos as palavras silenciam por vergonha!

 

Conheci Cícero na luta por conquistarmos a Usina improdutiva Cambahyba e já se passaram um pouco mais de 1 década em que as muitas famílias de sem terra esperam essa desapropriação, o que demonstra que o tempo é uma estrada com muitos caminhos e o nosso judiciário, no que se refere em garantir justiça para os deserdados da terra, escolhe sempre o caminho mais longo, quando não resolve parar no meio do caminho.

 

Uma das características mais marcantes de Cícero, pelo menos para mim, era justamente sua voz. Grossa e potente. É que habitualmente falo alto e assim sempre me alegra encontrar irmãos e irmãs que compartilham dessa incontinência vocal. Mas Cícero, com certeza, me ganhava.

 

Muitas marchas foram embaladas por palavras de ordem entoadas pelo Cícero e nós, caminhantes da terra, sabemos o quão bem faz ter ao lado um companheiro que seja capaz de levantar, mais do que a poeira da terra, os nossos ânimos. E era isso que Cícero fazia com grande maestria. Embalava como ninguém as nossas caminhadas.

 

Mas é preciso que se diga: o fantástico na potência da voz de Cícero não era um produto de um dom particular do seu timbre, mas sim a certeza de que Cícero trazia dentro de si muitas vozes. Cícero era nosso caleidoscópio vocal!

 

Não falava por si e sim por muitos, milhares. Sua força derivava disso, de uma generosidade que o fazia emprestar sua voz para todos os que pela opressão da miséria, da injustiça acabam silenciando no desespero, restando-lhes apenas um sopro de vida. Cícero sabia a importância do falar, do gritar na vida dos injustiçados, pois seja narrando nossas histórias, seja gritando palavras de ordem espantamos os inimigos da vida, da esperança, da justiça.

 

Cícero foi silenciado, mas de forma diversa do que esperam seus assassinos - e não se iludam nós sabemos quem são: os mesmos vermes da história que por séculos mantêm para si enormes extensões de terra cujo único fim está em especular, parasitas cuja única atividade de exploração não é a da terra, mas sim dos homens e mulheres que sobre ela estão -, o silêncio de Cícero será temporário.

 

As muitas vozes que seu corpo carinhosamente guardava estão agora soltas levadas pelo vento e como sementes pousarão na terra, tão amada por Cícero, e germinarão em muitas outras vozes e um grito se ouvirá saindo da terra, ensurdecedor, fazendo estremecer em qualquer parte do mundo um latifundiário, que pense ser possível ignorar os deserdados da terra, os milhares de sem terra, de quilombolas, de indígenas e tantas identidades, que como diz a canção “põe com carinho a semente pra alimentar a nação”, que ouse se esconder no argumento da legalidade:

 

CICERO VIVE...ETERNAMENTE!



Rede Social
Youtube
Facebook
Twitter
 
Movimento Humanos Direitos ® Todos os direitos reservados. PolĂ­tica de Privacidade. Mapa do Site.
Desenvolvido por MelhorWeb Tecnologia