Logo


VocĂȘ estĂĄ em: Inicial > noticias > noticias-relacionadas > exibir.php

 
Maximizar


Trabalho escravo, o senador e o STF



24/02/2012

 

Enviado por Míriam Leitão - 24.2.2012 9h15m

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu ação penal contra o senador João Ribeiro (PR-TO) por manter 35 trabalhadores em condições análogas à escravidão. Temos que olhar esse assunto com mais seriedade, mais cuidado. 

 

Muita gente diz que esse termo escravidão é exagerado; fui, então, perguntar à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e ao Ministério do Trabalho o que chamam de escravidão. 

O termo não se refere apenas a condições degradantes, mas também à impossibilidade do trabalhador de sair. Às vezes, não sai, porque tem jagunço com arma. Mas, às vezes, não consegue sair porque está distante do local onde mora, ou o trabalhador nem sabe onde está. Geralmente, os trabalhadores são de outro lugar, bem longe. Nesse caso, foram contratados em Araguaína (TO) e levados a Piçarra (PA). 

Havia muitas irregularidades, além das relacionadas à falta de assinatura de carteiras. Os trabalhadores eram obrigados a pagar por alimento e ferramenta de trabalho. Esse senador, na sua fazenda, descontava do pagamento o dinheiro da comida, feita em lugares improvisados. Eles bebiam a mesma água dos animais, não tinham dias de folga, os dormitórios eram um rancho coberto de folhas. É assim que se faz a teia da escravidão. Cria-se uma dívida falsa, e a pessoa fica comprometida com ela e não consegue sair, por falta de dinheiro ou por não ter as condições concretas de voltar de onde veio. 

O que me espantou foi que mesmo diante de tudo isso apresentado na denúncia do Ministério Público, três ministros votaram contra a abertura da ação contra o senador: Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Marco Aurélio Mello. 

Gilmar Mendes pediu o arquivamento do processo. Disse ainda que "se for dada à vítima a liberdade de abandonar o trabalho e de rejeitar as condições supostamente degradantes, não é razoável pensar em crime de redução à condição análoga ao trabalho escravo". Mas eles foram aprisionados nessa teia de uma dívida falsa e nessa distância que não podem vencer. São mantidos numa armadilha. Portanto, presos. E trabalhando, portanto, escravizados. 

Nessa ação penal, o senador, que já era réu por crime ambiental e estelionato, passa a ser novamente réu. 

Acompanho esse assunto de trabalho escravo com muita seriedade, nada disso pode ser tratado com leveza. O Brasil tem que apagar essa chaga da nossa vida. 

Ouçam aqui o comentário na CBN



Rede Social
Youtube
Facebook
Twitter
 
Movimento Humanos Direitos ® Todos os direitos reservados. PolĂ­tica de Privacidade. Mapa do Site.
Desenvolvido por MelhorWeb Tecnologia