Logo


VocĂȘ estĂĄ em: Inicial > noticias > noticias-relacionadas > exibir.php

 
Maximizar


Crack vira flagelo social em Pernambuco



29/07/2011

EPIDEMIA Droga está presente nos 184 municípios do Estado. No Recife, não existe um plano de enfrentamento ao crack
 
RECIFE - Só este ano, a Polícia Federal e
 as polícias Militar e Civil de Pernambuco já tiraram de circulação no
estado o equivalente a 6,810 milhões de pedras de crack, de acordo com a
 quantidade de pasta-base de cocaína apreendida. Numa média, esse número
 equivale a 4,43 pedras por habitante da capital pernambucana. O crack
virou um flagelo social no estado e está presente em todos os 184
municípios.

"Acho que o crack transformou-se em uma bomba de
Hiroshima, pelo menos aqui em Recife", disse nesta quarta-feira (27/07)
Demétrius Demétrio, fundador e coordenador da Comunidade Pequenos
Profetas, que mantém um centro de atendimento a meninos e meninas de
rua. No casarão, com três mil metros quadrados de área, cerca de 60
crianças são atendidas por dia.

"Quando comecei a trabalhar com
eles, nos anos 80, os meninos cheiravam gasolina. Depois, passaram a
consumir cola e injetáveis. Hoje, injetáveis praticamente não existem, e
 o crack está em quase todas as situações", disse Demétrius, que convive
 todo dia com jovens que sofrem com agitação, problemas psicomotores,
arritmias cardíacas, tosses crônicas e indiferença sexual provocados
pelo crack.

As estimativas mais conservadoras indicam que no
estado haveria entre 30 mil e 60 mil consumidores. Só na capital, são
cerca de 400 pontos de venda da pedra, de acordo com a polícia e
autoridades que fazem campanha contra o consumo de drogas, como é o caso
 do deputado Clayton Collins (PSC), ex-dependente químico que hoje ajuda
 na recuperação de viciados.

Ele diz que as políticas públicas
ainda não se mostram eficientes para o combate e que, no estado, há 50
comunidades terapêuticas mantidas por organizações não governamentais
que agora começam a somar esforços com o governo estadual.
 
Prefeitura de Recife não tem enfrentamento da droga

Em
 Pernambuco, desde o ano passado, foram realizadas oito conferências
regionais, reservados 72 leitos em dez hospitais para desintoxicação e
capacitados dez mil profissionais. Também entraram em funcionamento seis
 centros de atendimento e foi adotado um programa educacional de
resistência às drogas. De acordo com a Secretaria de Direitos Humanos, o
 programa conta com a participação de oito secretarias de estado. A
Prefeitura de Recife, por sua vez, não tem programa de enfrentamento da
droga.

"O crack transformou-se em foco não só do Departamento de
Repressão ao Narcotráfico, mas de todo o estado", disse o delegado Luiz
Andrey Viana de Oliveira, titular do Denarc.

Ele mostrou como o
consumo da droga cresce assustadoramente no estado. Em 2009, foram
apreendidos 4,5 quilos de pasta-base de cocaína. Em 2011, somando os
números do Denarc, de outros órgãos da Polícia Civil e da PM, já foram
apreendidos 595 quilos do crack (pronto para ser dividido em pedras). Na
 PF, a quantidade de pasta-base apreendida em 2011 já é 3,2 vezes maior
que a registrada em todo o ano de 2010, e o total de crack quase dobrou
no mesmo período.

No Ceará, os problemas causados pelo crack
resultaram na criação do Pacto pela Vida, fórum de discussão para propor
 políticas públicas de prevenção, tratamento, repressão ao tráfico e
reinserção social dos usuários. Liderado pela Assembleia Legislativa, em
 parceria com 220 instituições, o movimento já chegou a 120 dos 184
municípios cearenses.

"A violência está ligada às drogas de uma
maneira geral. E, quando junta o crack, ela se torna mais bárbara.
Precisamos saber como enfrentar isso", diz o deputado estadual Lula
Morais, responsável pelo Pacto pela Vida.

Para Preto Zezé,
presidente da Central Única das Favelas (Cufa), ONG que realiza projetos
 voltados a usuários de crack, dois deles com apoio dos ministérios da
Justiça e da Saúde, "as ações, porém, ainda são tímidas para a dimensão
do problema".
 
Da Assessoria de Comunicação do Cremepe
Fonte: jornal O Globo

RICARDO PAIVA



Rede Social
Youtube
Facebook
Twitter
 
Movimento Humanos Direitos ® Todos os direitos reservados. PolĂ­tica de Privacidade. Mapa do Site.
Desenvolvido por MelhorWeb Tecnologia